CROUGA era um Deus, venerado pelos lusitanos nas zonas montanhosas do centro, hoje a Beira, encontrado o seu culto especificamente em Mangualde.

 

Deus da Destruição e da Magia.

 

Equivalente ao Deus irlandês, Crom Cruaich, com provável ligação à palavra «pedra», «craic» em irlandês (gaeilge). Crum Cruaich poderá significar algo como «Cabeça Curva». Eram deuses a quem sacrifícios eram feitos, como jovem ovídeos. A Crum Cruaich, consta que também era sacrificado primogénitos de cada clã. Sendo primogénito, seria objeto de destruição/criação, numa forma mais simbólica.

 

Equivalente também ao Deus galês, Pen Crug.

 

A destruição e a criação/criatividade estão intimamente ligados, especialmente através da magia, presente no ato de criação. Quando se dá o processo de criatividade, como nas artes, existe a necessidade de manipular/destuir matéria prima, para a converter numa nova realidade, uma criação.